quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Renda-se

.
 
 
Existe
o amor,
então,
faz todo sentido existir o
Natal,
 
e assim como o amor,
o verdadeiro,
não se explica,
desta mesma substância inexplicável
faz-se o Natal,
 
_ e sem mais explicação
 o negócio é se render
a emoção.
 
 
FELIZ NATAL!
 
*

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

GOSTAR DE GOSTAR

.
 
 
Gostar é muito. Gostar é um verbo amigo. É quase maior que amar. Porque quando se gosta, se gosta meio sem condição. Coisa meio de irmão. Ele pode até te sacanear, mas tem o gostar lá no meio. A gente não se acanha no perdão, por exemplo. No gostar a gente aprova sem muita avaliação, a gente gosta e ponto,  até porque, gostar é mais fácil. Ou deveria ser. Pra não gostar entra a chatice na história, aquele troço do perfeccionismo, é mais complicado não gostar porque, o buraco é mais embaixo, passa por percepções interiores que a gente pensa se tratar no outro, mas não! Quando a gente gosta a gente simplifica o caminho, aceita na pureza. É quase uma coisa caipira, no boníssimo sentido da palavra. Gostar lembra bons tempos, tempos em que se faziam visitas, se fritavam bolinhos pra visita, tempos de ir à novena, beijar a mão da vó, tempos de menos fartura e mais valor. Gostar é como ir para um sítio e se largar numa rede: _ tem coisa mais simples e gostosa do que uma rede pra se balançar? Se for pra olhar "olhar assim de perto", uma rede não é a coisa mais confortável do mundo, o tecido não é o mais macio do mundo, a coluna nem fica correta daquele jeito, é muito simples, simples de tudo, e mesmo assim,  quem vai dizer que não gosta de uma rede pra deitar? Penso desse jeito o gostar. Um sentimento  imperfeito e todo feito pra gente se largar. Se largar sem culpa, sem análises consonantais, complicações e coisas e sais.
 
Gostar não dá aquela sensação de borboletas no estômago, que todo mundo fala que é bom. Caprichoso estado  da categoria  Paixão. _ É bom? _ É bom!, mas sei lá, às vezes é bem bom também estar com o estômago calminho, estirada numa rede, vendo as borboletas baterem suas asas e voar. Ver o voo. Calmamente vê-las passar. Tudo solto. Tudo livre. Corpo. Mente. É uma coisa tão sana. Quase santa. Sagrada simplicidade de se soltar os nós pra poder se soltar. Ser humano sem pressa, sem ansiedade, sem véspera... Gostar é aproveitar o mundo sem se esquentar. É quase como resolver que a vida é vadiar. Relaxar e desencanar.
 
Se borboletas presas se debatendo no estômago é coisa de amar, vou te confessar,  acho que prefiro borboletas voando e só GOSTAR. Gostar por gostar, gostando de gostar.
 
 
 
*

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

ABRIGO

.
 
 
 
 
Tem amigo que é tão querido
que faz a gente se sentir tão acolhido
que esse amigo poderia logo ser chamado ABRIGO.
 
 
 
 
 
 
 
*

é oque diz a canção: vambora?

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 
 
 
quem
sabe
faz
a
hora
não
espera
acontecer
 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 
 
 
 
 

Asa Coração

.
 
 
DEZEMBRO
podia bem inaugurar
uma nova estação:
 
_ já é mais do que  tempo de libertar o coração!
 
 
 
*