quarta-feira, 9 de julho de 2014

A Divina Comédia

.


Era pra ter sido só uma copa.Equipes de futebol de todo o mundo disputando esportivamente a supremacia do momento. Era pra ter sido só uma coisa divertida, que sacode os corações das nações, une, provoca, diverte, aproxima e faz lembrar, ou deveria fazer lembrar, que é possível medir forças sem aniquilar. Só divertimento. Coisa boba. De quem tem que fazer alguma coisa aqui neste planeta, que é pra poder passar o tempo. Era pra ter sido só uma copa.

Mas a Copa do Brasil foi outra coisa. Foi uma espécie de guerra velada onde duas vertentes se definiram. Talvez três. Porque têm os ingênuos, que estão na categoria meio anjo, meio criança, que queria curtir, pintar tudo de verde e amarelo e fazer churrasco pra chamar a vizinhança pra festar. Ah!, como seria bom se todo mundo fosse assim... Mas tinha uma coisa suja no meio. Uma coisa obscura. Uma luta travada entre o bem e o mal, sem que eu saiba definir muito bem qual lado pertença a quem, onde um lado queria que tudo, absolutamente tudo, desse errado, pela volta ao poder, e outro lado, que esqueceu de prestar a devida atenção para ver com quem estavam lidando, que é uma coisa fundamental.

Foi uma lástima. A ironia. A humilhação. A separação. A discriminação. A absoluta falta de educação da dita elite. Os deboches. A torcida contra. O pouco caso. O complexo de vira-lata. A adoração aos estrangeiros. O hino cantado como se isso resumisse oque é ser brasileiro. A mídia. As redes sociais e toda a caricatura que foi feita do Brasil. E os descalabros. As forças que regem. O mal dominante. O poder da dinheiro. O desamor. Os gols da Alemanha. O jogo entregue. Abertamente. Sem teoria das conspirações. Pra quem quiser ver. Um teatro. Cenas de uma guerra onde as armas ferem brios, esperanças e reforçam o temor de dias piores.

Foi uma boa Copa para todas as nações que dela participaram. Recebemos os estrangeiros como verdadeiros marajás: o bom e o melhor da festa, foi pra gringo. As melhores torcidas, a gente mais animada, foi um PASSEIO no Brasil. Nunca vão nos esquecer. Hospitalidade, dez. E tinha que ser assim. Era uma festa entre os povos. E assim Foi.

Só faltou o Brasil festar. Só faltou o Brasil ganhar. Embora seja Ele quem vai pagar a conta. Da festa.



*

Nenhum comentário: