quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Preguiça

.


Às vezes eu fico com preguiça de ser triste.
Daí eu fico contente.

Simples assim!



*

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Estará onde quiser estar...

.


Felicidade não é uma coisa só, está em tudo e em coisa nenhuma.
Não é plena nem absoluta, antes, é comum e muito esperta.
É dada à instantes e ao inusitado,  vai  na casa de qualquer um.
Frequentemente está nas coisas simples, embora adore ser procurada.
Felicidade não escolhe cidade, nem cor nem raça nem mesmo idade.
Felicidade é compartimentada. Felicidade é fragmento de milhares
de desejos de felicidade,
sendo tantos os desejos não é raro não enxergá-la.
Felicidade também é confusão, é miopia e contra-mão.
É acerto é erro e nunca foge à regra da paixão.

A felicidade é brincadeira de Deus,
esse Ser
que some aparece desaparece
surge ressurge emerge
tem nas rendas do destino  a surpresa
que se revela:

_ do lado de dentro, onde menos se espera.

*

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Coração de Feijão


.

Acho de péssimo tom classificar as pessoas para o mal. Gente não é feijão que a gente escolhe e joga fora os grãos ruins. Gente é coração. Toda gente. E coração também não é feijão pra gente escolher por qualidade de grãos. Todo mundo atravessa fases. Fases ótimas, e seremos os otimistas. Fases péssimas, e seremos os pessimistas? Ninguém é uma coisa ou outra exclusivamente. Seremos sempre as nossas circunstâncias , e circunstâncias serão sempre as mais variadas. Teremos inclusive tons de cinza e nestas nuances, lógicas que podem salvar. Até o céu, que é aquela coisa tão plácida, tem seus dias cinzentos e deles vem a chuva, que é linda e alegra os corações pessimistas, os corações otimistas, os tico-tico-no-fubá e toda gente que só quer mesmo é saber oque é amar.

Seja como for, é bom reforçar:
_  gente não é feijão pra selecionar,
se bem que até  os coitadinhos dos grãos de feijão vencidos dá pena de jogar.


*

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Palavra ou doce, freguesia?!...

.

Parei na doceria pra comprar um doce.
O doceiro trouxe-me um sorriso e o doce:
_ tá fresquinho!

Tão feliz tava aquele homem com seu doce fresquinho na mão,
orgulhoso de sua obra, tendo-me à sua frente para confirmar.
Respondo:
_ Vê-se logo que estão fresquinhos. Me veja logo seis desses
e seis do outro que alegria assim a gente tem que levar pra casa
pra fazer surpresa pros queridos...

Sorriu-me até o seu avental dele, todo marcado de farinha.


_ Quantos milagres podem conter as mãos!


*

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

_ Joguei o chapéu!

.

Em algum lugar nas minhas memórias tem uma frase guardada que eu não lembro quem disse. É de um tempo tão longinquo que de fato nem sei dizer se é desta vida mesmo. Talvez tenha visto em algum filme de um tempo em que se viam filmes na tv. Ou ainda, devo ter lido. Você sabia que na França são feitas pesquisas para saber oquê as pessoas estão lendo, quantos livros  têm em casa, e em que partes da casa eles são guardados? País velho tem dessas coisas que países novos acham desnecessário. Aqui o senso quer saber tudo sobre eletrodomésticos e bens de consumo... Li sobre isso num livro de um respeitável escritor de alma velha. Adoraria ter a honra de conhecê-lo, principalmente pra poder conversar sobre esses assuntos de quem amadureceu e perdeu a ilusão. Ilusão. Consciência da ilusão.

É isso que a frase fala:
_ Jogar o chapéu!

Deveria me informar sobre a origem deste dizer mas confesso que estou tão cansada que vou logo à casa das conclusões. A vida não é um bem adminstrável. Parece que a gente quem tá no comando, mas não é bem verdade isso. É oque parece quando as coisas todas da vida seguem um rumo mais ou menos esperado. Isso acontece para muitas pessoas. Principalmente para as que tem muitos eletrodomésticos e bens de consumo. Para quem tem livros, no entanto, costuma se diferente. Você vai lendo e analisando tudo. Questionando e se inquietando. Ler cria expectativas de, no mínimo, ver um debate de ideias, uma abertura nos costumes, o sonho de uma mudança logo ali, na elipse de uma ideia... Quem lê recebe!
Quem lê tá sempre com visita, e são hóspedes do barulho! Só que é um barulho pra dentro. Você tem que calar pra poder ouvir. É um prazer solitário e cheio de interrogações. É abster-se da vida na ilusão de entender. É o preço que se paga pra ter esse amigo das solidões.

Ao mesmo tempo, quanto barulho... Que vontade de mudar o mundo! Que grande coisa impossível!
Um livro é um ser barulhento. Quando ele entra em casa,a casa treme porque serão muitas as ideias novas e com isso ao pobre morador e suas paredes sobrarão os anseios de mudança que não sobreviverão à juventude perdida. Mudança. Nada que pintar paredes ou  trocar um móvel de lugar resova. São anseios da casa de dentro que a cada livro enxerga diferente a casa de fora até que em certo ponto, perdem-se referências, e com isso, adeus calmaria! Ler envelhece a gente. O tempo envelhece a gente e envelhecer no país dos eletrodomésticos e bens de consumo isso é um pecado para o qual não se obtém perdão. Deve ser por isso que lê-se tão pouco por essas bandas, porque somos um país jovem onde a  ilusão de juventude e do consumismo é tudo que interessa.

Eu queria que o sujeito do senso me perguntasse sobre livros.
Eu queria ligar a tv e ver grandes escritores expondo suas ideias.
Eu queria comentar com o vizinho sobre a frase do dia.
Eu queria me deparar com menos cabeças vazias.
Eu queria viver num país que valoriza a educação.
Eu queria o endereço daquele autor...

Eu queria mas...
Eu tô perdida.
Perdi o rumo, perdi o piercing, perdi o jeito de me aprumar.
Restaram-ne os livros, as rugas e as rusgas.
Fora isso, nem o chapéu me sobrou.


*


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Baby

.



 Sabe aquela que vai logo querendo saber
_ como vai você?!...


*

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Porta Aberta

.

É preciso abrir a casa pra festa.
Não há festa em casa fechada,
assim como não há amor em coração trancado.

É preciso lembrar que a festa só começa quando o outro chega,
assim como é importante lembrar que não tem festa se a gente não chegar.

Uma casa, portas abertas, a chegada do outro, a sua própria chegada e uma
festa que é sempre aguardada!

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Começo

.


_ Onde essa água vai dar?



*

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Os Aguardados

.


Tem gente que tem jeito de chegada
até quando está de partida...


É o dom de saber CHEGAR!


*

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

amoras e frutas e tais

.

Poesia
é fruta no pé do vizinho



*

lenga-lenga

.


Coragem não tem nada haver com
a LENGA-LENGA das palavras.

Coragem é ir


*

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Mas não se esquece jamais!

.

TEM AMOR QUE TEM O TEMPO DE UMA FLOR

de uma beleza fluída, intensa e instântanea,

i n e b r a n t e


como é lindo o tempo de uma flor,
como é lindo o tempo de um amor...


*