sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Uma Amiga e seus Balões

.


Amiga,
lembrei do teu gosto por balões vendo esta imagem, que poderia bem ser você, cabelos ao vento, como você gosta, e generosa, a qualidade principal da tua prosa, das tuas rosas intenções, saindo pra voar com balões reservas para caso mais alguém queira chegar pro vôo, e rir junto, e dividir o tanto, o pouco, o que dér e oque vier, porque é desta qualidade que se faz uma pessoa especial: a azulada, a abençoada, a doce capacidade de querer amansar. E o que mais amansa, abranda, acalma, aquece e quase se desfalece um coração do que o outro ser disposto a nos ter por perto?

E essa é você, né?... amiga que se sai pra voar, sai com balões extras, coragem extra, coração grande, braços abertos, cantando as lições dos mestres dos sonhos como aluna exemplar, sempre guardando um lugar pra quem costuma se atrasar. Tipo esta amiga que vos escreve, que só não repete de ano porque aprendeu a colar. Alguém cola na escola ainda? Porque, Van, eu me acabei de tanto colar. Tinha prazer na cola, preparava tiras compridas em letra pequeniníssima, depois fazia tipo uma sanfona, e lá estava o resumo de toda matéria. Escrevia lembretes nas réguas, nas mãos, nas pernas, na borracha, passava a noite toda preparando minuciosamente tudo, e não é irônico, isso?, não seria mais fácil simplesmente estudar?

Poisé, era meu jeito torto de estudar. Uma garantia. Você sabe, né? sou a rainha das garantias. Se desse o tal branco, eu estava prevenida. Não saio de casa sem um plano BE. Usava todas as colas por via das dúvidas. E adorava ser conhecida como A especialista em cola. Só fui pêga uma vez,(desculpe se escrevo pêga, é que sou da geração pré-reforma-ortográfica, e sou conhecida também como rainha do não-desapego) e ainda assim, argumentei com a "fêssora", e ela me deixou fazer uma nova prova, na qual não fui tão bem. Faltou a adrenalina do risco e as minhas amadas colas por garantia.

Quanto mais o tempo passa, mais me lembro de mim quando menina. Ai, Van!... você fez tanta falta, precisava de uma irmã destemida, dona dos cabelos e dos versos mais bonitos pra me fazer lembrar de brincar mais. Tomar tenência e ser segura. Fico tentando acertar os passo da menina que fui, agora. Se ela (eu) decide que quer ser cozinheira, vou pra cozinha. Se ela ( eu) decide que quer ser garota surfista, rumo pra praia. Bióloga, chácara. Bailarina, música. Dona dos móveis, loja. Artista, canto, _ e daí me dou conta que não posso ser cantora em hípótese alguma, pois sou a desafinação absoluta. Sonhava em ser artista. Qualquer coisa artística. Patinadora, , atriz, pintora, bailarina, claro!, escritora, cantora, decoradora, domadora de leões, artista de circo, artista tem que ser bom de acrobacia, e eu que nunca nem consegui fazer uma cambalhota direito...

Você falou em descobrir, né? E que a gente pode ser oque quiser, pelo lado de dentro, que é lado mais bonito, e que é de onde vem toda explicação. Você me ensinou. Vem me ensinando. Passando cola pra essa sua amiga distraída, um pouco medrosa, mas que no fundo no fundo, tem até que um bom coração. Eu continuo colando, porque não vou desistir de aprender. Confia em mim.

_ e já que você insiste, não desiste e garante que não tem perigo
ok, ok, ok, também quero viajar nesse balão-super-fantástico-amigo,
mas amiga, não larga a minha mão!

*

Um comentário:

Jason Jr. disse...

:-) rs e aBElhinha! :-) rs super beijocas!!!