terça-feira, 30 de agosto de 2011

This is




I n e v i t á v e l :

Não se rompe o cordão umbilical dos afetos.


*

domingo, 28 de agosto de 2011

Delicadeza

.

O tempo da Delicadeza?...

É certo que há!
A delicadeza ronda-nos suavemente
Seus passos não há como ouví-los,

Pressente-se
quando algo ou alguma coisa feito brisa

Espreita-nos...

[Estejamos abertos ao sopro da brisa que nos chama para a Vida!]


*

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

EU QUERIA...


.

Por que será que quando falamos em sonhos usamos o pretérito do futuro?
Desconfiamos da possibilidade de realizá-los? Atingí-los? Tocá-los?...
É que em matéria de sonhos, parece-me, existem categorias. Os melhores estão no topo e sua classificação seria algo como " quase inalcansáveis".
Não costumo pensar nessa escala, assim como não costumo pensar em como seria bom tocar meus pés nas nuvens macias do céu, mas hoje me perguntei porquê. Porque baixei tanto o nível dos meus anseios a ponto de nem espiar a vida pelo caleidoscópio dourado. Por isso e então, é disso que vou falar, dos meus amontoados sonhos dourados já mofados e empoeirados habitantes do meu baú de fantasias.

Eu queria muito morar no Rio. No Rio de Janeiro. Não sei dizer o exato porque, mas creio tratar-se daquela atmosfera de festa ou eternas férias, sempre com sol, mar e todas aquelas vistas translumbrantes que hipnotizam todo o meu ser.
Eu queria morar no Rio bem em frente ao mar, num daqueles apartamentos enormes que mais parecem um castelo de tão grandes, com tanto espaço que penso que poderia perder-me lá dentro. É que eu ando sentindo necessidade de espaço. Queria ter espaço para acomodar cada pedaço de mim que não pára de mulitplicar-se em necessidades.
Eu queria morar em frente à um bom pedaço de mar do Rio, e não precisar trabalhar. Queria só viver de papo pro ar. Levantar com o barulhinho das ondas e nunca mais precisar de despertador. Queria ficar à toa o dia todo, só pensando, olhando pro Cristo, olhando pro mar, olhando para o Pão de Açúcar, e no meio disso, tomar muito sol e descobrir oque significa a poética expressão DOLCE FAR NIENTE.
Queria também poder ter mais de um amor. Quero dizer, queria poder ter vários namorados. Um, dois, três... oito... um para cada dia da semana e um bônus pra apimentar, mas queria que isso fosse normal e não soasse vulgar ou indecente. É que eu acho amar uma pessoa uma aventura tão avassaladora que eu fico pensando que multiplicar essa experiência não seria uma ideia tão má assim...
Eu queria perder cinco quilinhos num piscar de olhos e permanecer assim sem esforço nenhum, mesmo comendo todas as delícias que a minha gulodice embestasse de querer, porque ter que escolher entre comer e ser magra é um martírio que ninguém merece. Então seria aquela orgia gastronômica: churrasquinho, feijoada, manjares, docinhos miúdos e graúdos, kit-kat, nutella, uma loucura...
Queria um closet "à la Carrie" mais recheado do que os sonhos da Panne D'Amour, sem culpa nenhuma por isso...
Eu queria muito ter todos os meus amigos por perto.Todos que consegui manter mas, sobretudo, todos os que perdi, por incompetência minha ou porque a vida se encarregou de roubá-los de mim. Então seriam muitas festas de muitas cores e todos estaríamos sempre juntos.
Eu queria escrever um livro, dar a volta ao mundo, percorrer todas as cidades francesas de carro, ser uma fotógrafa famosa, queria pintar quadros e realizar vernissages, queria ser bailarina e fazer uma peça de teatro. E queria nunca mais sentir dor física nem dor nenhuma e queria poder tirar a dor da vida das pessoas que amo. Na verdade, não queria mais que houvesse dor nenhuma no mundo. Queria ter mais saúde, vitalidade, bom humor, beleza... Eu queria ser uma pessoa melhor, aprender a aceitar mais, a ser mais simples, mais generosa, mais sedutora, e não queria nunca mais na vida me render ao medo. Eu queria mais festas no mundo. Mais abundância de coisas boas, mais sonhos realizados, mais baús de fantasias abertos e divididos, mais calma e mais alegria, e tem tanta coisa aqui nesse baú que é melhor eu parar e guardar tudo direitinho porque a realidade me chama e a hora da vida é já.

*

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Caminho

Nada como o conforto de um caminho que se crê ser o caminho certo!



*

sábado, 20 de agosto de 2011

E quem não quer ser bela?









A beleza a r r e b a t a .



De todos os predicatos, ser bela seria o primeiro escolhido por toda mulher. Ser bela, sentir-bela, ver-se bela nos olhos de quem a vê, perceber-se bela mesmo sendo tão ampla a gama do que é ser belo. Não, eu não me refiro a beleza interior, refiro-me estritamente a beleza física. Um belo rosto, traços que se combinam, um corpo leve, harmonioso, desejável, e aí sim, um interior que comande esse conjunto nos caminhos da admiração. Ninguém resiste à beleza. Todos os olhos se voltam ao belo. Pode-se dizer tudo à uma mulher em termos de elogio mas, para que ela saia saltitante de feliz, comente seu cabelo, seu olhar, que está mais magra, que está bonita e então você verá uma pessoa feliz. Nas minhas palavras isso pode soar um pouco fútil, mas foi Clarice Lispector quem disse em uma entrevista mais ou menos assim:



_ Prefiro que admirem minha beleza a receber elogios sobre minha inteligência...



Foi quando ela já não contava mais com o frescor dos trinta e poucos anos, quando a beleza começa a se esvair e a adquirir uma forma complicada que olhos de imediato não percebem. Perde-se a conotação. Perde-se a capacidade de despertar o instinto de um homem, por exemplo. Clarice Lispector foi muito conhecida por sua beleza e capacidade de sedução, um par de qualidades invejável. Ser bela e ser interiormente interessante. Pode-se seduzir só com as palavras? Talvez. Ou talvez seja o caso de perguntar isso à um homem. Ou observá-los sem rodeios ou ideologias, mas de forma realista. A vida como ela é...



Claro que a necessidade de sentir-se belo é coisa de todo ser humano, mas na mulher isso é meio como fome, ou sede, ou saber-se viva, e, não creio que isso tenha como ser apontado como certo ou errado mas simplesmente como coisas da vida. Talvez existam mulheres que não se importem, talvez mintam para si mesmas que não se importam, seja como for, existem mulheres que se importam, mulheres como eu. Como Clarice. Como Maria, Isabela, como Carolina que, se pudessem sabotariam o relógio da vida e o lápis que desenhou suas linhas. Ao tempo, dariam mais tempo. Às linhas mais harmonia e uma beleza cósmica só comparável ao brilho das estrelas.


[O que você fala com seu espelho?... sobre a teoria da relatividade?]



*

16:02

.

E se você não tem uma dúvida, um desvio de conduta,
uma fraqueza de cárater, um vício, um desejo secreto, um segredo,
uma ambição, alguma fúria, algum orgulho e muitos enganos, meu amigo,
_ desculpe, mas sua cabeça perfeita deve ser muito chata!


*

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Dias assim

.


É muito bom quando a vida nos oferece
a oportunidade de sentir algo bom,
algo como

se pássaros voassem soltos pelo CORAÇÃO...


*

domingo, 14 de agosto de 2011

Bubbles

"Como é triste a prudência!"

Ela nos guarda sãos e salvos em sua bolha vedada,
livres de todo risco,

inclusive do imenso risco de descobrir-se novo, vivo
e capaz de saber descrever como pode ser avassalador
                                  VIVER!


*

sábado, 13 de agosto de 2011

Queria

.

Eu queria trazer a tarde até você
(é triste te olhar aí sozinho...)

queria tirar-te do meio da noite
 (teus olhos brilham mais à luz do dia...)

e no lugar na frieza entregar-te o abraço do sol,
(o calor do encontro de abraços..)

a cantoria dos pássaros,
(meus segredo de liquidificador)

 a alegria de um corpo solto
(quando encontra outro corpo que se solta...)

queria  tirar com as minhas mãos cada espinho de dor que
machuca tua pele
(porquê, eu sei que dói, eu sinto daqui...)

 e com beijos cicatrizar-te, aliviar-te
(te chamar pra dançar com o vento que sopra alívios...)

queria ser eu a portadora das palavras que anseias ouvir
(são as minhas palavras que você quer?)

e queria ser aquela que teus braços vão abraçar nesta hora,
(como demoram as suas horas...)

mas eu não consigo,
(apesar de querer demais...)

sou tímida demais, ou orgulhosa demais, ou covarde demais,
(eu preciso dos teus sinais...)

ou talvez seja mais simples que isso: Eu sou BOBA demais.
(Embora você saiba, não é?... os bobos também amam demais...)

*

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Como entrar?




Cuida bem do coração!


*

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Sonhos: eles vão comigo para onde eu for!



Bom, começa que não há prova de amor mais contundente do que incluir uma pessoa no seu sonho. Amar em sonho é mais que amor, é devoção. É galáxia, é imensidão, é a quântica comprovada caso se soubesse como usá-la. É o "então assim seria...". Somos transportados para os braços dos anjos quando pensamos em como seria se a gente pudesse escolher. A gente pode escolher?...Sério?... bem, eu particularmente não tenho esse poder. Ou sonho sonhos não apropriados, ou me preocupo demais com as pessoas envolvidas na minha vida e no meu sonho. Acontece às vezes, de o sonho ser incompatível com a realidade. Mas não faz mal nenhum, até muito pelo contrário: oque faz do sonho esse sôpro do céu é justamente ele ter a natureza de sonho. A natureza das coisas perfeitas, dos dias que não terminam, da tez que não envelhece, da gentileza que domina, do ar sempre puro, do riso ingênuo, do bem-querer só bem querendo sem disputar nada com o mal-me-quer... É a vida quando nossas mãos são conduzidas por Deus, quando Ele consegue guiar nossas mãos, quando a gente deixa... É vôo, é ter asas, e saber-se algo além de um corpo. É sublime. Você já se imaginou dentro do sonho de alguém?... Não é demais?... você fazer parte da melhor parte do interior de uma pessoa. Isso é de tirar o fôlego porque é o melhor dos dois mundos, é preciso ser muito amada na vida real para ser escolhida a fazer parte também do sonho da vida de alguém. Quem sonha com a gente leva a gente junto para os melhores lugares, para as melhores paragens, para algum canto muito especial de algum céu particular. Sonhos se realizam,sim!... mas certos sonhos, não se realizam nunca, fato este que acrescenta ainda mais intensidade ao sonho. Podem ser sonhos de infância, sonhos materiais, sonhos de realização, sonhos de vida, sonha-se com tudo e existem os sonhos de amor. Geralmente os sonhos de amor são os mais inegociáveis. Eles independem da gente, e precisam de um "time" sincronizadinho com o outro. Coisa difícil... São os sonhos que mais combinam com a não- realização, esses sonhos de amor... Oque compensa, e muito, talvez seja o fato de que eles ficam melhores a cada impossibilidade encontrada, ficam mais amados a cada não que a vida declare, e são o tal pedaço do céu, são o último suspiro antes de dormir, são os olhos na janela, são as estrelas do firmamento, são os suspiros que se dão quando se olha o mar. Sonhos de amor são aqueles onde somos o melhor de nós mesmos, mais livres, mais selvagens, mais vibrantes, mais reais. Mais reais porquê somos realmente mais do que conseguimos ser atados ao corpo como somos. Nós somos mais. Seremos sempre mais, e os sonhos SERÃO, oquê eu não sei dizer ao certo, mas um dia, eles serão, com absoluta certeza. De onde vem essa certeza eu não sei também, nas algo tão belo não será privado de existir, em algum lugar, eles haverão de existir.


*


terça-feira, 9 de agosto de 2011

Sonho é chama que não se apaga...

EM NOME DA TUA AUSÊNCIA/ CONSTRUÍ COM LOUCURA UMA GRANDE
CASA BRANCA/ E AO LONGO DAS PAREDES/ TE CHOREI...

_ Sophia de Mello Breyner Andresen


*

domingo, 7 de agosto de 2011

Sonho-Te

.

Abra o seu  Livro dos Sonhos
e me conte qual é o seu sonho mais lindo
porque essa noite eu não quero dormir,

Essa noite eu só quero te sonhar.


*

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

ROUBAR

.

"Quem nunca roubou não vai me entender.
E quem nunca roubou rosas é que jamais poderá me entender.
Eu, em pequena, roubava rosas."

_ Clarice Lispector


Eu roubava rosas, margaridas, boca de leão e até flor do mato,
roubava mimosa, pera, coquinho e tudo que desse em árvore,
roubava lugar na fila na escola, bolacha do pacote, e doce fora
de hora, roubava ideia, e umas moedas da caixinha da minha vó,
roubava etiqueta das roupas, e trapos do varal, mas só os trapos,
 roubava pedras, e um pouco de areia e até uns tijolos roubei,
roubei atenção que não era pra mim, verdades, mentiras, tickets
e todo tipo de papel pois amava muito os papéis escritos...
 "eu, em pequena" achava que não roubava e que tudo
à todos pertencia.

Cresci e descobri que não é bem assim.
Parei de roubar.


*

TÍMIDOS


"Há pessoas que têm vergonha de viver:
são os tímidos, entre os quais me incluo.
Desculpem, por exemplo, estar tomando lugar ao espaço.
Quero ficar só! grita a alma do tímido que só se liberta na solidão.
Contraditoriamente quer o quente aconchego das pessoas.
_ Vai, vai ser gauche na vida!"


[Clarice Lispector]


*