quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Zarpar

.

Não é a ti que eu liberto
Quando te solto,
Mas à mim,

que descubro-me capaz
e além
dos afazeres de uma
âncora...


*

3 comentários:

thiê disse...

sabe aquela poesia que é tão poesia que quando a lemos sentimos a vontade que seja nossa? suas palavras são sempre uma delícia de se ler e pensar. Feliz ano novo, minha querida, muita paz e muito poucas amarras. Mais amor.
sempre perto

Thiê

Monalisa Macêdo. disse...

Achei lindo!
Libertar o outro é libertar a si. Às vezes muito mais a si, que o outro.

Adriana ♣* disse...

É muito bom soltar a âncora e mergulhar...