quarta-feira, 30 de novembro de 2011

CHUVA





.

Poderia ter sido uma chuva perfeita, mas faltou você. Não faltou por inteiro porque uma parte tua, que é minha e eu não largo, estava aqui. Então, foi uma chuva quase perfeita. Eu a vi da janela. Ainda não aprendi a me dar aos meus próprios ímpetos e com isso, não!, não fui lá fora, assisti da janela e algumas vezes coloquei os meus braços o mais perto que pude e trouxe a chuva pra perto de mim. Em cada gota sorvida, você estava. Estava sem estar, mas estava. Foi uma chuva esplêndida. Ou fazia muito tempo que eu não olhava com atenção ou realmente foi uma das chuvas mais bonitas que vi. Uma chuva com ares de boas novas. Tá certo que isso é puro desejo que seja mas, parecia. E você apreciaria. Ou apreciou já que a mesma chuva caiu pra você. Será que você me viu nela? Se viu nela comigo? Notou como estava calma, como as gotas eram grandes mas comportadas, caindo com ritmo como numa noite de dança devidamente ensaiada?!... Uma chuva ensaiada, encomendada, aguardada com todas as entradas vendidas. O perfume da água fresca lembrou-me tua pele. Você tem pele com gosto de água de chuva, _ eu já disse isso à você?... uma mistura estudada e alucinógena de folhas molhadas, de grama molhada, de vida regada somada à todos os meus suspiros doces que estão como que tatuados, milemetricamente em você, feitos por mim quando fechavas os olhos . Tua pele tem meu cheiro junto, tanto que sou de você. Misturei-me, e agora, assim é. Respiro. Essa chuva lavou-me por dentro. Trouxe-me alguma redenção. Ou salvação. Uma salvação que tem o tempo de uma chuva de verão. Respirar ficou sendo uma coisa mais leve, como se cada partícula de água que colhi entrasse pelos meus poros apaziguando minhas ansiedades de você. Foi uma hora perfeita. Noturna e convidativa. A chuva já parou, oque é uma pena, as coisas todas ficam mais belas molhadas. Mas deixarei a janela do meu quarto de dormir aberta hoje. Enquanto houver esse perfume de chuva, de alguma forma, eu quero estar lá fora. E estarei. De alguma forma também, sei que você também estará. E se eu te vir, terei coragem e sairei pra me molhar com você nas poças d'água que a chuva deixou.
*

5 comentários:

Alexandre Spinelli disse...

Nossa... Lindo, Be!
Que a chuva caia e abençoe teus escritos tão cheios de poesia, que gosto tanto.

Fabi Anselmo disse...

"... uma parte tua, que é minha e eu não largo, estava aqui. "

Conheço muito destas 'agarrâncias'...
Lindo texto!

[ Experiências do pensamento ] disse...

E toalha nova não enxuga !

JasonJr. disse...

:D :D :D super beijocas aBElinha! :D :D :D

Anônimo disse...

Belo texto.. Belas palavras.. Acho que vou abrir a janela hoje, quem sabe não chove?! ..

Parabéns!