quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Eu quero ÁGUA



.

A leveza gosta de gente leve. A elite não acessível à qualquer mortal. Estou falando de estado de espírito. De estresse, de cansaço, de saco cheio, de um estado onde não se quer falar nada com ninguém porque as pessoas cansam, suas conversas sobre toda a banalidade do mundo cansam, e os lugares cansam, e todas as cadeiras, camas, sofás, e paredes, tudo parece ter espinhos e cansam ainda mais. A boca dói com isso, ATM mais severa do que nunca, e as costas parecem carregar todas as dores do mundo. O peso é tanto que só dá vontade de largar. Largar os bet's, gritar TÔ FORA!, pedir um tempo, chorar aos pés de Deus, rezar pra não pensar tanta besteira e por pouco não tomar algumas daquelas pilulinhas pequenininhas pra dormir e escapar de sonhar. Tá punk o negócio.

O limite. Não fui trabalhar de tarde. Excepcionalmente, declarei _ NÃO VOU!.Fui na minha ortodontista pedir pra refazer minha plaquinha. E voltei pra casa, escancarei todas as janelas e peguei uma jarra de vidro bonita, enchi até a boca de gelo, água, algumas gotas de limão e laranja e me esparramei numa espriguiçadeira no jardim. Embaixo da árvore mais frondosa que existe pra mim, pedi à Natureza que olhasse por mim. E finalmente, me senti melhor, não como uma pessoa leve porque amanhã não posso repetir a folga, mas me senti melhor por conseguir lembrar de como é ficar de papo pro ar, VIVENDO, porque trabalhar como loucos não é coisa de gente, é coisa de doido, enquanto que o ócio, esse sim, parece ser coisa de gente sã. E sábia.



*

2 comentários:

thiê disse...

tô louco pra seguir os passos de Manoel de Barros e comprar meu ócio, viver de ver e dormir. Nem me fale de dias cheios e muito trabalho, tem hora que só com muita fé pra aguentar e não explodir.

[ Experiências do pensamento ] disse...

Nem ao excesso e tampouco a falta....
e digo mais fui ao dentista,também ! ahahaha, acredita? ehehehe sintonizados, e zero cárie ! ahahaa











beeeeeeeeeeeeeeijo. to esperando o endereço e telefones hein