domingo, 26 de junho de 2011

PERTENCER




.

Pensamentos indisciplinados. Eles são os donos do pedaço. Eu assisto seus debates ruidosos e incessantes sobre uma sequência de variações que versam, sempre sempre, sobre o mesmo tema: O DESEJO DE PERTENCER. Parece-me que hoje, chegaram a mesma conclusão de todo dia, que tudo que importa é sentir-se parte de algo. Fazer parte. Estar do lado de dentro. Estar dentro é estar protegido, resguardado, aquecido. O coração comanda essa busca mesmo quando parece ceder as rédeas à razão. Tudo tipo!, porque, busque-se o que seja nessa vida, lá dentro, no impulso inicial de qualquer busca está o sentimento, o porta-voz do coração, emissário de diretrizes complicadas que muita gente passa a vida inteira tentando entender. Sem nada entender. Seguindo às cegas, tateando com as mãos para tropeçar menos. Gente tipo eu. Alguém disse que as coisas do coração são leves? Tem certeza? E esse trabalho árduo de sol a sol pra sobreviver à gente mesmo? E a agonia daqui do lado de fora? E o coração ali, bombando teimosamente o desejo de... Pertencer?!... A beleza do verbo da boa acolhida. Quem pertence, via de regra, acolhe e vice-versa, num movimento contínuo, que, no entanto, exige empenho. Cuidado, atenção, generosidade, calor humano, bom humor, carisma, inteligência, doçura, segurança, bem querer, auto estima, bons propósitos e beleza, sobretudo, beleza. A expressão da beleza por todo lado possível, física, de alma, de gestos, de existência. Todo mundo quer estar perto do que é belo, resida a beleza onde for. Numa bela profissão, na almoço de domingo com a família, no abraço gostoso de um amigo, numa viagem sem data de retorno, no êxtase de outro corpo, dançando, cantando, subindo, descendo, queremos fazer parte do que admiramos. Queremos ser acolhidos além da obrigação de um laço, de uma convivência, de rotinas ou acomodações. Queremos ter trabalho, ter o desafio de se manter fazendo parte. Queremos o outro. Admirar e receber admiração. Eu desejo pertencer. Desejo fazer parte de tantas coisas que só sondo de longe... Pertencer não é para os acomodados. Para os que esperam as coisas cairem diretinho do céu, como se caísse alguma coisa do céu!... Opa! mas caem coisas do céu. Caem estrelas cadentes com a possibildiade de fazer um pedido e ser atendido. Cai a chuva que traz a água mãe de tudo. Caem os raios do sol sem distinção. Cai energia que a gente não vê, mas cai, eu sinto que cai. Sinto, não!, tenho certeza porque, senão, eu nem estaria aqui. Por isso olho muito para o céu. Se eu tiver a sorte de fazer parte do grupo de pessoas felizardas que já viram um estrela cadente, fizeram um pedido e foram atendidos, pedirei a felicidade de experimentar com mais constância a grandeza do verbo PERTENCER. Espero ser atendida e fazer parte do grupo de pessoas que sorriem com mais frequência. Enquanto isso, fico aqui, fazendo par com os que sonham, com os que acreditam, com os que se machucam, mas não perdem ( nunca) a mania de querer pertencer.

*

9 comentários:

Camilla Galvão disse...

Tem um tempo que acompanho os seus posts, e gosto muito do que vc escreve ^^' Me identifiquei mais com esse post, acabei resolvendo te mandar o endereço do meu Blog:

camillagalvao.blogspot.com

da uma lida, e depois diz se gostou >.<

Anônimo disse...

ADOREI!

Fabi Anselmo disse...

Faço par contigo, ok?
E desistir é palavra proibida!

Bjus

Adriana ♣* disse...

eu também desejo PERTENCER!

:)

thiê disse...

não se identificar com seus escritos é quase impossível. você sempre me toca. beijo bê

Eliete disse...

Lu, você é linda.

Flor Baez disse...

Lindo seu texto!
Pertencer é uma questão de perspectiva!

Com amor,

Andressa disse...

Encanto Be =)

Um beijoo

Be Lins disse...

Vocês são uns queridos,
sinto-me "pertencendo"
com suas presenças por perto.

Um beijo
de agradecimento
e outro, de carinho.

Be