quinta-feira, 26 de maio de 2011

Só as lembranças sabem

.

(...)
olhava o lado de fora,
e a visão era esférica.
Via formas  de pétalas encurvadas,
um mundo grande, indistinto, de formas
e figuras que atingiam ao mesmo tempo
sua visão e sua audição.
Em uma sinestesia irresistível,
às imagens se uniam os sons, que saíam das
pétalas, das folhas...

_ Mas são estas
verdadeiras lembranças?

[Virginia Woolf]


*

Nenhum comentário: