quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

'Lágrimas de chuva'


Deitada na cama de espinhos
Deixo as cortinas afastadas ao lado
Para poder ver os pingos da chuva agarrando-se à janela
A chuva cai tão calma quase sem som bate no vidro e reflete
Em cada gota, uma lágrima, um riso, um suspiro, saudade e alguma dor,
Escorre como a tinta que compõe cada máscara diária que suponho só eu
VISTA...

Ao menos as que são minhas,
E que caídas estão,
Uma a uma,
Despidas de tudo
Só pra ver a chuva molhar.

*

4 comentários:

Aline Carla disse...

Molham, mas aliviam!
Um beij

Juci Barros disse...

Tão leve e tão lindo.
Beijos.

Thaty disse...

Que sensível...
Adorei seus texto.

Grande beijo
Thaty
Pedaços do Cotidiano

Michele disse...

Que a chuva não apenas molhe, mas leve embora as lágrimas e toda dor!

Quanto ao seu comentário, só o que posso dizer é AMÉM, Be! Que minha princesinha seja mesmo sempre abençoada por Deus! Obrigada pelas palavras tão doces!

Um beijo grande!