domingo, 13 de junho de 2010

R E G R A S

Bom. Bom. Bom... Sobre o que falar em épocas de vacas magras emocionais?!... Saí fora da ciranda. Voltei pra vida. Desisti de viver paralelos. Resolvi aposentar meu cargo no test drive de paixões. É o preço. Ou bem se está dentro do tornado, e se sente cada centímetro do corpo e alma e adjacências flamejantes de vida e adrenalina e coração, ou bem se está na placidez de um lago calmo com marrecos ao lado fazendo quém-quém. Quém-quém. Oquê me devora, me mata, me cega, me limita, oras bolas, sou eu mesma. Sou minha maior sabotadora. Eu mesminha. Eu e minha tendência ao tédio. Creio estar frente ao meu maior desafio de todos até hoje. Encará-lo de frente. Amadurecer. Aprender a viver o REAL. O todo dia. O café com leite e pão com manteiga. Os pés pisando asfalto, as mãos no cotidiano dos afazeres e abraços reais. Preciso cortar minhas asas emocionais. Aliás, eu não preciso apenas. Eu quero. Viajei longe demais. Caí trozentas vezes, me estrepei, estou cheia de cicatrizes, e tenho aquele olhar caduco que as pessoas do meu dia a dia não compreendem. E amam mesmo assim. Vim torta por dentro. Vim torta para o mundo. Incapacidade congênita para tomar tenência, nível moderado para grave, com possibilidade de controle se devidamente seguidas algumas regras. As regras?... recebi psicografadas em sonho do meu avô Alcídio, o maluco com aspecto mais normal que já conheci. Ele foi casado com minha avó que fugiu com seu amante francês. Como ele reagiu? Levantou-se no dia seguinte, rumou para sua fábrica de manufaturados de metal, e trabalhou. A vida toda. Tudo bem que ele tinha esse mesmo olhar que vejo no meu espelho diário, aquele sorriso estranho de quem está aqui, mas não está de todo presente. Mas, enfim, foi ele quem me mandou a listinha de regras básicas para "sossegar o facho", e tentar ser normal ( mesmo que só na superfície) que transcrevo a seguir:
*

1. Trabalhe.
2. Trabalhe com afinco.
3. Trabalhe com disciplina.
4. Trabalhe com concentração.
5. Trabalhe com paixão.
6. Trabalhe com a alma.
7. Trabalhe com sorrisos.
8. Trabalhe com orgulho.
9. Trabalhe com positividade.

e finalmente,

10. Trabalhe com AMOR, com bastante AMOR.


[ Certo, Vovô!... eu juro que vou tentar.]


*

7 comentários:

vanessa leonardi disse...

.
E faça mesmo tudo com amor, TUDINHO. É assim que Deus olha pra gente, sem descuido, embora ás vezes, acho que Ele cochila... Me edifico em Amor, assim em maiúscula. Um Amor por tudo, dado sem querer nada em troca. E te garanto só tenho lucrado com isso. Acreditar mais no Bem me fez forte. O mal existe é pra gente poder viver com mais vontade de fazer a diferença nessa vida!

tou sempre por aqui, querida do meu coração.

=)


.

Sol Brito disse...

Amei seu texto de paixão.Me identifiquei porque é exatamente assim que me sinto.
Cansei de fazer escolhas erradas...
Trabalharei com AMOR!!

Tudo de bom pra vc!!

Xica disse...

Que lindo! Conselho de vô é sempre bom ;)
E colocar em amor em tudo o que se faz, sempre, pra colorir a vida mesmo nos momentos mais sem graça.. é o poder que nós temos, o da decisão!
=*

A primeira estrela disse...

Bê,vivem me dizendo que quem arrisca não petisca só que eu acabei me arriscando demais...Cansei de viver ess adrenalina do amor,agora tenho mais certeza porque os conselhos de avô são os melhores e os certos ;) beijinhos bê querida

Larissa Vilar disse...

Oii, passa lá no meu blog porque você ganhou um selo tá ?? beijos

Leo disse...

Conselho de vô é sempre bom,
eu vou tentar também!

Moras no meu coração, mas isso
tu sabes, né?

Um beijo minha estrelinha brilhante.

Bill Falcão disse...

Os vovôs sabem das coisas!
Bjoo!!