sexta-feira, 25 de junho de 2010

How Deep is Your Love?


Senhoras e Senhores, eu estou Péssima!...
_ Oras, mas cadê a novidade nisso, não é?
É que de repente, é algo diferente de estar péssima no sentido pior da palavra, é mais brando. E não dói. É quase bom, sabia? Colocar uma 'little old music', bem 'dor de cotovelo agudo total batido na quina mais filha da mãe daquela maldita mesa de mármore carrara branco, linda e fúnebre', e suspirar. Suspirar por alguém sim, óbvio, mas um suspiro seu, sabe como é?... passa por ele, mas não é pra ele, ou por ele, mas pelo que não vai ser por incapacidade de ambos. Quando são os dois imperfeitos para a entrega acaba sendo, ... NADA. Estou péssima porquê tenho tendência a estar péssima. Acho meio charmoso até. Fazer aquele ar blasè e dizer: _ OH!... Consigo rir, minha alma não tá doendo, não dei um passo sequer a mais em direção à, fiz planos bobos confesso, tipo, ver estrelas e a lua cheia, tomando champagne em copo plástico, rindo no banco detrás do carro, os dois olhando pro céu, e rindo. Muito. Do movimento das estrelas, do bailado da nuvens, dos segredos da lua, da cosquinha que a champagne faz no nariz, dos apertões quando uma palavra provoca mais que a outra palavra. O revide. E o beijo. E o descansar do teu corpo lindo no meu colo, aquele bico imenso de menino carente, que pra segurar as barras da vida, faz-se duro como pedra, e rola, e se esfola, e acerta algumas vidraças. Tipo as minhas. Sorte que fiz crédito na vidraçaria aqui do lado. Pago mensalmente. No caderno. Perdi a conta de quantas vidraças ele já espatifou por aqui. Só que agora, há uma sutil aceitação desse movimento. As janelas até fazem apostas para saber qual será a próxima a ter seus vidros novinhos em folha. Dei de colocar vidros coloridos. Verdes, azuis, amarelos... rosas, como ficam lindo os vidros rosas!. Mas são os preferidos dele. Dele e do seu estilengue supergaláctico. Potente. Ele me acerta. Eu me conserto. E sabe quem tem mais ganho com isso? Eu. Descobri que posso dormir mesmo assim. Descobri que continuo a fazer tudo igualzinho, com a presença e sem. Não é incrível?... É sim, é muito incrível. E sabe o que é mais incrível ainda?... Descobrir-se capaz de quebrar janelas também.....rá! Requer alguma prática e mais um tanto de habilidade mas... tô pegando o jeito, e gostando de pegar jeito, ou de jeito. Se um dia vamos parar com isso? Sabe que eu não sei? E no fundo, torço para que não. Não pare nunca. É um amor torto. Somos tortos os dois. Não convergimos. Não concordamos. Não nos damos. Não nos tomamos. Mas, do nosso jeito, nos divertimos feito crianças molecas que quebram vidraças, que sobem nos telhados, que sondam, espiam, arquitetam planos fantasiosos, e que principalmente, não sabem brincar sozinhos, a graça toda reside no outro, mas cada um no seu papel. Somos de tribos diferentes, mas estamos sempre nos mirando. Isso deve ser algum tipo AMOR, não deve?...é, acho que deve ser sim! E dos grandes, senão, dos maiores. E mais intensos. E de vida toda. E de vida INTEIRA. Amém!

Tô melhor e vou dormir.
Boa Noite!


*

The old music:
http://www.youtube.com/watch?v=XpqqjU7u5Yc


*

4 comentários:

Sol Brito disse...

Menina, vc escreveu exatamente como me sinto hoje..acabei de acabar um relacionamento torto, maluco, estranho, mas que a gente não consegue seguir em direções opostas porque nos queremos muito bem...
Nossa, cheguei a arrepiar....

Mil beijos e obrigada pelo texto!!!

vanessa b.' disse...

lindo texto, nova leitora, seguindo o blog \õ/

Xica disse...

Adoro essa música do Bee Gees ;)
Boa semaninha!!

Clarissa M. Lamega disse...

adoreeei esse post, parabén pelas palavras! :D