segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Lenda Urbana

Eu sei que era você naquela esquina. Naquela quase madrugada que não estava fria. Pensei em ir até você. Perguntar todas aquelas perguntas que você nunca vai responder. Mas tive medo. Seus olhos me faziam em pedaços, tive medo que suas mãos também o fizessem. Enquanto te olhava sentia meu estômago em chamas, senti desespero ao te ver ali, desapegado de tudo, querendo que eu o visse, e sentisse a tua dor. A dor que você quer sentir. E me causar. Teus olhos pareciam relâmpagos em noite de tempestade. Por que me olhavas daquela forma? Eu não podia fazer nada. Eu não posso fazer nada. E estou cansada. Quase morri do coração quando você veio em minha direção. A sua expressão mudou. Indecifrável, como sempre. Nunca saberei se vinhas me matar, me abraçar ou me levar embora contigo. Pra sempre. Pra sempre. Precisei partir. Nossas horas não são as mesmas. Você burla a sintonia da vida só para me enlouquecer. Para onde você voltou depois daqueles minutos naquela esquina naquele intervalo de existência? Como você faz isso? Você deve estar rindo, agora. Rindo da insanidade que és capaz de causar. Tua obsessão é contagiante. Mas vou te contar um segredo. Deve ter amor nisso. Você fazer oquê você faz só faz sentido no ódio. E ódio, só faz sentido no Amor. Teus olhos traziam um pedido de socorro. Você não pode controlar tudo. Saiba que eu te vi, e trago-te pra perto, mesmo com teus jogos, mesmo com tua loucura, mesmo com tua maldade, porquê o que SÓ eu vejo em você, é tudo oque você mais sonha em ser. E ter. E permanacer. Nós dois sabemos disso.


2 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Bia disse...

Claro, um ENGANO.