sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Mar.ia



Quando se leva o mar no próprio nome, justifica-se mais do que nunca essa paixão, não? Lembro-me da primeira vez que estive em frente ao mar. Fui no colo do meu pai, ele foi me soltando aos pouquinhos, o susto de ver aquela grandiosidade perante os meus olhos de criança pequena. Mas a atração foi tão maior, que após a segunda escapulida das ondas, já estava com os pezinhos buscando o contato. O mar entrou nos recônditos do meu ser e virou tradução de felicidade. Todos os meus sonhos passam-se perto dele. Toda calma que busco para meus dias, eu busco nele, mesmo que de longe, de olhos fechados. Noto nas pessoas que moram na praia, uma calma privilegiada, um olho mais doce, uma s u a v i d a d e . E a alegria tão mais presente. É algo assim que busco para os os dias da minha vida. Quanto às noites, já está tudo certo, depois que fecho os olhos, já sou dele. Sou a Maria do MAR.


*

Um comentário:

renata disse...

tento fazer quenem o mar: ver o mundo num grão de areia.

bonita!