sexta-feira, 23 de outubro de 2009

DA VIDA

É o movimento da vida. Pessoas entrando e saindo das vidas umas das outras, num infinito mar de tantos sentimentos. Sentimentos de chegada. Sentimentos de partida. Entremeios. Os começos. Ninguém pensa muito quando está no começo. Deve ser a paixão que nos deixa um tanto quanto crentes no super poder daquilo que começa. Falo isso porquê, se pensássemos que haveria um fim, nos apegaríamos com mais força à magia dos inícios e, empregaríamos mais empenho para alargar a sensação. As certezas nunca são possíveis. Só há a certeza do fim, e mesmo essa certeza não é bem certa, ninguém sabe oque vem depois, quando o filme acaba e a tela mostra o THE END. Viver é uma coisa bastante ilógica. O grande Criador das coisas todas deve ser um sujeito bem complexo, _ pelo amor de Deus! Ontem mesmo foi um dia daqueles, sem lógica nenhuma. Na noite anterior, comemorávamos em família meu irmão preferido, e na manhã do dia seguinte acordamos com a notícia da passagem brutal de um conhecido nosso. Garoto de vinte e cinco anos. Levado da vida com tiros na cabeça ao deixar sua namorada fofa no portão de casa. Ela na UTI, com tiros também. Lindinhos os dois, bons filhos, queridos de todos, e a palavra fim chegou dessa forma inimaginável junto com o dia. E o dia foi punk. A gente pára, pensa e se pergunta que sentido existe na estupidez humana. No cinismo, no abuso da inocência, no furto gratuito das emoções puras, no ultraje. Portar a dor. Qual a função disso, mesmo? Foi um dia de episódios de ignorância e incompreesão. Um dia de absurdos. Mesmo assim, um dia de amor. Vida estranha. Na verdade, nem pretendia escrever sobre, mas agora está escrito e segue com um enter e um pedido:
_ Pessoas queridas que passarem por aqui. Please! entreguem-se de braços abertos à VIDA, mas protejam-se muito. Queria muito crer que só o bem existe, mas o mal nos espreita também.


*

Nenhum comentário: