sábado, 13 de junho de 2009

"Tudo vale a pena se alma não é pequena"




Ontem foi o dia dos namorados. Conversei com algumas pessoas sobre o assunto. Momentos muito diferentes uns dos outros. Ou nem tanto. Falei com Celso, um amigo loucamente apaixonado pelo amor dele. Estava correndo o dia todo, preparando as surpresas, comprou flores, velas, chocolates, fez reserva em restaurante, parecia um Papai Noel no natal, fez uma cesta imensa cheia de presentinhos que ela adora. Muito fofo o Celso. Falei com Ricardo, que estava meio desolado, porque segundo ele, não estava basicamente namorando ninguém. Fofo ele também, dava pra sentir que tudo que ele queria era estar fazendo a mesma coisa que o Celso. Falei com a Val, uma amiga das antigas, que só reclamava do fato de o dia dos namorados cair bem no inverno, por que afinal, que roupa de inverno pode ser sexy?... nenhuma concordamos e rimos. Ela disse que iria usar vestido assim mesmo, porque o amor dela, adora vê-la de vestido. Mesmo tremendo de frio. Coisas do amor. Uma outra amiga querida, estava em cólicas, Patrícia, porque o amorzinho dela estava chegando na cidade, para passarem juntos o dia dos namorados. Gosto da historinha deles em especial porque, mesmo longe, eles conseguem, eles ultrapassam a barreira da distância, e quando se encontram, é sempre dia dos namorados. Ela fez uma reserva num hotel bonitinho aqui da cidade, e passou a tarde toda enfeitando o quarto para a noite deles. E comprou uma lingerie linda, nova, e confidenciou-me que vai dançar pra ele. Achei demais isso. Ah! sim, falei com meu irmão, que é maluco de amor, e que tratou de convencer minha cunhada de despachar as crianças para a casa da avó, e vai raptá-la para a praia. Ele adora praia no inverno. E comprou champagne, por que ela adora. E ele adora tudo que ela adora. Falei também com Marcos que aparentemente não estava nem aí para a data. Aparentemente, porque ele quase não conseguia disfarçar que a emoção dessa data o toca um pouco. Ia para a baladinha, mas desconfio que a baladinha incluia alguma namoradinha. Tudo bem, é meio comercial. Consumista, como conversei com Luiz, mas como tudo na vida, existe o outro lado. A gente não precisa se render ao apelo comercial. Pode simplesmente desfrutar do momento. Para que servem as datas?...pra gente fazer aquilo que o dia a dia não nos possibita. Se existe a data, por que não fazer aquela pessoa que a gente acha incrível, sentir-se especial? Até Luiz, o mais cético de todos com quem conversei, devia ter algo bem planejado para sua noite dos namorados. Não me contou, mas essas coisas, a gente sabe. Dia dos Namorados é coisas de gente apaixonada. E tem muita gente apaixonada por aí. Isso é legal, uma atmosfera de paixão. Paixão é bem melhor que poluição, não? Todos os resturantes, barzinhos, hotéis e motéis com programação especial , e lotados para o dia dos pombinhos. Que são muitos, graças à Deus. É engraçado, mas no fundo no fundo, somos todos seres muito apaixonáveis. Creio que ninguém se arriscaria a jogar a primeira pedra. Falando em paixão, conversei também com Toni, um ser nascido para essas coisas. Coisas do amor. Tem umas convicções bonitas, de amor transcendente, que pelo que entendi, acordou pensando na data, e pelo que pressumo, foi dormir pensando. No meio disso, só Deus sabe. Gostei muito desse dia, foi interessante, estive um pouquinho nesses corações todos, e talvez, em um em especial. Mas isso é assunto para outra prosa. Vive l´Amour!




*






2 comentários:

a primeira estrela disse...

encantador menina bia,e é como você diz mesmo,o dia doze virou uma data extremamente comercial,muito bom saber que eu não estou sozinha nessa luta para garantir (como você mesma mencionou) essa atmosfera de amor,de paixão de fervura,essa coisa toda.Por tanto eu não poderia ter achado melhor seu texto,também conversei com algumas pessoas a respeito disso,mas foi conversa de quarenta e oito segundos aproximadamente porque todas elas estavam fazendo algo de muito especial.Então...vamos continuar nessa saga!Beijão moça :*

Leo disse...

Muito fofo Bezinha
eu me identifiquei
com a história do seu
amigo Ricardo...ai ai.
mas é uma bela data,
viva o amor!!!

Beijos, do amigo do príncipe.