quarta-feira, 4 de março de 2009

Chico e mulheres escancaradas

Ai, o Amor
Jamais foi um sonho
O amor, eu bem sei
Já provei
E é um veneno medonho.
É por isso que se há de entender
Que o amor não é um ócio
E compreender
Que o amor não é um vício
O amor é sacrifício
O amor é sacerdócio.
Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu.
Leva o que há de ti
Que a saudade dói latejada
É assim como uma fisgada
No membro que já perdi.
.
(Chico Buarque)
.

4 comentários:

Sara disse...

Chico é paixão para sempre, até quando e... até minha Beatriz nascer. Ela ainda só existe nos meus sonhos e nos sonhos daquele que amo e que compartilho mesa, cama e banho.
Chico inspira e transpira emoção, sensação e paixão para sempre, que é sempre, sempre por um triz.
Fique bem, Bia. Sonhe, ame, sinta, pulse, verse e... seja!
Beijos, fica com Deus...
Prazer é te ler. Aqui, lá e acolá! :)

Biba disse...

Sou uma apaixonada por Chico desde a infância quando não entendia bem alguns versos mas deixava-os entrar em meu pequeno coração. Hoje compreendo seu teor e viajo na imaginação querendo tocar de leve a sensibilidade de Chico Buarque.
Beijos
Apareça no Carpe Diem!

Flor de Bela Alma disse...

Oi querida Be, seu blog está uma delícia, tem a intensidade exata, nem menos, nem mais. Você sabe voar e me fez voar hoje! Um grande abraço e aproveita o fim de semana para fazer fotos bem lindas para eu colocar no blog, heim?! Ah, e tenho novidade: vou em curitiba em junho ver vc e carol. Beijoquinhas: Bia

fred disse...

Belo blog.
Ficou ótima a colagem de trechos de duas letras de Chico.
Beijos