domingo, 22 de fevereiro de 2009

Haveria (...)

Haveriam de se completar.
Ela sonhava com livros.
Ele, com filmes.
Livros e filmes,
em uma casa de vidro,
onde na arte, fazia-se amor,
e fazendo-se amor, nascia arte.
Haveriam de sorrir de manhã,
e, por tudo ser tão belo,
haveriam de seguir sorrindo,
todo tempo, pra enganar o tempo.
Haveriam de olhar estrelas
de mãos dadas deitados na grama,
na areia, num chão de flores.
Haveriam de conhecer lugares,
e nesses lugares, nasceriam mais flores,
sensíveis são as flores, aos amores.
Haveriam de ter sonhos, e tão juntos
estariam, que seriam os mesmos
os seus sonhos.
Haveriam de se encontrar ainda,
em tantas outras vidas,
pois até o Divino
não resistiria a beleza desse Amor.
E o perpetuaria.
Haveria de ser assim,
para todo sempre,
não fossem os venenos
tão poderosos.


*

8 comentários:

Amigo do Principe disse...

por que será que quando há felicidade, querem destruí-las. ah esses portadores de venenos me entristecem.

Naira Cibele disse...

concordo, concordo...
belíssimo espaço!

abraço!

Lucas C. disse...

eu gosto é de veneno.

Cris disse...

Eu te indiquei ao meme, vai lá na minha página.

beijo

Lucas C. disse...

não achei o conto no teu blog;

=/

nathyacarnylle disse...

incrivel, e imaginavel.

Day disse...

Be
passando aui pra dizer q amei
o que escreveu(novidade[?])

e pra saber como está!
deixei scrap
mas você num respondeu
=[


beises
:*

Bia disse...

...pois é Nathy,
certas coisas são mesmo
incriveis e inimaginaveis.

Obrigada pela
visita de todos.
Beijos.