segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

As Águas do Mar

Aí está ele, o mar, a mais ininteligível das existências não humanas. E aqui está a mulher, de pé na praia, o mais ininteligível dos seres vivos. Como o ser humano fez um dia uma pergunta sobre si mesmo, tornou-se o mais ininteligível dos seres vivos. Ela e o mar.
Só poderia haver um encontro de seus mistérios se um se entregasse ao outro: a entrega de dois mundos incognoscíveis feita com a confiança com que se entregariam duas compreensões.
Ela olha o mar, é o que pode fazer. E vai entrando. A água salgada é de um frio que lhe arrepia em ritual as pernas. Mas uma alegria fatal - a alegria é uma fatalidade - já a tomou, embora, nem lhe ocorra sorrir. Pelo contrário, está muito séria. O cheiro é de uma maresia tonteante que a desperta de seus mais adormecidos sonos seculares. E agora ela está alerta, mesmo sem pensar. A mulher é agora uma compacta e uma leve e uma aguda - e abre caminho na gelidez que, líquida, se opõe a ela, e no entanto a deixa entrar, como no amor em que a oposição pode ser um pedido.


_Clarice Lispector


*

9 comentários:

Day disse...

eu simplesmente AMO esse livro...
é quase uma bíblia...
você lê e de repente
sente-se compreeendida...
afinal alguém também sente...

beijos, moça!

e agradecida por demais
pela indicação do blog!!!

beises
;*

Day disse...

só para dizer-te
que aceitei a indicação ao prêmio!


acho que já cumpri com as exigências..
ah!indiquei alguns blogs que vi no seu!

beises
=*

poeira que fica disse...

oi bia!
o blog ta meio de lado mesmo, tempo que não posto nada e não visito blogs legais como o teu.
espero mudar isso logo.
bjos

Sara disse...

Bia? De Beatriz? Da moça do Chico? Quero que minha filha se chame Ana Beatriz e que, um dia, quem sabe, ela tenha metade dos meus sonhos... E, agora, lendo e me perdendo nessa constelação (de sonhos, de palavras, de atos e fatos) quero que a minha pequena tenha também a sensiblidade de tuas palavras, das palavras de Clarice e de todas outras muitas mulheres que existem por aí!

Beijos, Bia...

PS: Fantástico teu blog! ;)

Biba disse...

Bia, finalmente faço minha primeira visita ao teu blog, que achei muito bacana. Amo demais Clarice, então já chego me sentindo em casa. Grata pela indicação do Carpe Diem!!
Beijo
Carpe Diem, sempre!

Manu Maia disse...

As águas do mar, que vão e que vem...
Nos traz o amor e ao mesmo passo o leva pra longe. Cabe a nós esperar pela próxima maré até que ELE volte...

Adorei seu blog! Parabéns! ^^

Quando tiver um tempinho, passa no meu, e diz o que achou.

glória disse...

"Uma aprendizagem" essa de se experimentar o inefável.quase sempre ficamos mudos. a alegria que emerge dos gestos e atos mais corriqueiros do cotidianos.ao mesmo tempo, singulares e e únicos. Clarice escreve sobre o que calamos, pela vastidão. Gostei do teu blog.Voltarei!

Uli disse...

Oi, Me chamo Uliana, tomei a liberdade de colocar teu blog nos meus favoritos, achei ele perdido nos emaranhados de letras do blog do David...

Flor de Bela Alma disse...

Oi Be querida, lindo isso! Demais! Estou louca para te ver com o vestidinho!