domingo, 28 de setembro de 2008

O que eu sinto eu não ajo.
O que eu ajo não penso.
O que penso não sinto.
Do que sei sou ignorante.
Do que sinto não ignoro.
Não me entendo e ajo como se entendesse.

(Clarice Lispector)

................................

Se nós tivéssemos agido
poderia ser algo assim:
uma festa,
límpida,
clara,
doce,
una.

Como ignoramos
o que pensamos,
o que sentimos,
o que sabemos,
seguimos sem
festa.

Sem festa, eu,
sem festa, você,
sem festa, nós.

*

Prêmio Dardos

Quero agradecer muito a menina sonhadora do "Caixa de Anadora" pela doce indicação.Obrigada, querida!
Intenção do Prêmio:
"Reconhecer os valores que cada blogueiro mostra a cada dia, seu empenho por transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais. Em suma, como demonstram sua criatividade através de pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras e suas palavras."
Condição para recebimento:
. aceitar e exibir a distinta honra.
. linkar o blog do qual recebeu o prêmio.
. indicar 15 blogs para o prêmio.

Dito e aceito, as indicações:

. Caixa de Anadora
. Cáh Morandi
. Cenas e Coisas e tal
. Do Amor que sinto
. Minimínimos
. Persona Non Grata
. Poeira e Circo
. Pequena *-*
. Quadras Envolta de Rilke
. Trankg
. Transflormar-la
. Tudo me Afeta*
. Vestidos com Poesia
. Versemeando

Beijos. *


quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Das cretinices.

Não sei por que você faz isso.
Você não tem nada mais pra fazer,
além de ficar me observando de longe,
e quando percebe que estou me curando,
lá vem você:

Você e suas singularidades,
você e suas surrealidades,
você e suas amabilidades,
você e suas facilidades.

Você e sua capacidade absurda
de me encantar,
de me aborrecer,
de me dominar,
assim, sorrateiramente.

Moço, tu não tem mais nada pra fazer, é?...