quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Cinco Horas.

Estava pensando em algo que me passasse a sensação de conforto. Buscando em minha mente algum lugar pra colocar minha Alma pra descansar. Um lugar onde os pensamentos se acalmassem e desfrutassem apenas de uma sensação agradável de bem-estar. Fui buscando em meus registros, pra lá pra cá, inevitavelmente esbarrando em delírios românticos, tipo uma praia linda em companhia daquele "cachorro" que não fale um níquel furado. Angustiante. Andei vasculhando espaços mais animados, bares e gente barulhenta, flertes abrindo possibilidades de mais romance. Parando, em seguida. Nada disso é confortável. Preciso apenas de uma sensação branca, branda, selenciosa. Nossa! será que passei a achar o Amor e as paixonites uma coisa infernal? Não sei, mas continuando minha busca interior por um lugar onde possa largar minha Alma agitada, constato que tudo que vivo, vivemos, não é de fato tranquilo. São lembranças caras e queridas, mas conturbadas demais pra voltar lá e visitar. Epa! mas tem uma sensação boa chegando. Quando vou indo mais pra perto das coisas conhecidas de tempos, uma tarde na casa da minha vó, aquele chá animado com as meninas, o domingo na chácara com meu Pai. Meu coração desaperta. Lugar bom esse. Suspiro de alívio por constatar que sou capaz de admitir que as paixões já não são mais tão importantes e vitais. Que vital mesmo, é uma paz que só o conforto das coisas conhecidas é capaz de oferecer. São cinco horas e é bem capaz de ter bolo fresco na minha vó. Vou pra lá, esse sim, um lugar pra lá de confortável. Tanto para o corpo quanto pra minha Alma esquisita.

9 comentários:

Haroldo Machado disse...

Vichi! Que beleza:
"Suspiro de alívio por constatar que sou capaz de admitir que as paixões já não são mais tão importantes e vitais."
Obrigado.
H.

joao p. guedes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
joao p. guedes disse...

Certamente, nalguma medida, a previsão de rota de prazeres possíveis no cotidiano tem a feição de fator determinante da "sensação de conforto" narrada na crônica com muito afeto e meiguice.

Ana Luisa disse...

Olá!!
Que gostoso esse texto! É..."conforto das coisas conhecidas "...estou nessa fase, buscando somente por coisas já conhecidas. O medo de cair novamente me assusta, prefiro a segurança, pelo menos por hora.

Grande beijo.

Estevão disse...

ahh me senti também, estrelas me fez lembrar de um livro O que é a vida? Carl segan, procure. Impressionante, as estrelas criaram os homens para admira-las... rs posso te adicionar? abraços

Estevão disse...

hiiii sou o www.gismontizado.blogspot.com

Dani Cabrera disse...

Oi Bê!
É verdade!
Li tudo, concordei com tudo, mas me perguntei o porquê de eu ter concordado simplesmente. Pensei...: É bom na casa da vovó, porque ali não existe risco nenhum (meio complicado falar isso num período tão intenso de projéteis invasores, balas perdidas bla-bla-bla, mas você sabe sobre o que eu tô falando...). Ali na casa da vovó é seguro porque ali somos atendidos sempre, chamados sempre, e o pricipal e mais estremecedor: AMADOS sempre.
Talvez seja por isso que gostamos tanto da "casa da vovó", do "chá com as amigas", das pessoas que temos a certeza que temos. Eu sou assim, exatamente assim. O infernal do amor e das paixonites está na dúvida sobre se realmente há amor e paixonite. É uma droga; terrível. É um risco. Se expor demais! É apavorante pras pessoas livres demais. Pros que têm asas! Por isso, minha mais nova amiga, por vezes acho infernal a idéia de amar demais e se apaixonar demais, porque me dou sem me poupar de nada, sem economizar nada de mim. E vou assim, passo trás passo, nessa corda que parece bamba, com medo de cair, mas sem medo de ser feliz.
E torçamos com todas as forças do nosso pensamento e coração de que vai dar tudo certo e no fim da vida vamos poder dizer que foi bom, que valeu a pena e que fomos felizes.
Ou que pelo menos tentamos!

Plenitude é o que há, Bêzinha!
Vamos correr atrás dela!
(Porque eu tenho medo da dica do Quintana: sobre cuidar do jardim e esperar as borboletas... rs)

Estou amando cada vez mais o teu espaço!


Um beijo imenso pra você!
(Bem grandão mesmo!!! :D)

Bia disse...

Pessoas queridas,
estou encantada com cada
palavrinha de vocês por aqui.

Vocês trazem
vivacidade à isso aqui,
obrigada!

Um beijo
em cada um.

poeira que fica disse...

me deu saudades da minha vozinha :)